Para melhor experiência de navegação, este site salva seu histórico de uso. Ao continuar navegando, você concorda com a política de cookies e privacidade.

Pix: como usá-lo de forma segura

24 de junho de 2022

O Pix é uma forma de pagamento instantâneo que veio para ficar. Lançado pelo Banco Central (BC) no fim de 2020, em plena pandemia, ele facilitou a vida dos brasileiros, que conseguem fazer compras e transferências em poucos segundos, sem taxas bancárias, usando apenas um telefone celular. Além de rápido, o Pix pode ser feito em qualquer dia e horário, incluindo fins de semana e feriados.  

Mas, afinal, o Pix é seguro? O Banco Central garante que sim, porque é um sistema que tem as mesmas camadas de autenticação e criptografia de outras formas de transferência, como o TED e o DOC.  

O Pix também conta com a segurança dos aplicativos e sites dos bancos, que exigem senha e biometria. E mais: as informações pessoais utilizadas nas transações estão protegidas pelo sigilo bancário

Só é preciso ficar atento a artimanhas envolvendo o Pix, ou seja, quando criminosos se valem do desconhecimento das vítimas e as induzem a cair em golpes.  

O que podemos fazer, então, para evitar esses golpes e usar o Pix sem riscos? A FHE POUPEX reuniu algumas dicas para que você aproveite tranquilo as facilidades desse meio de pagamento. 

1. Cuidado com suas chaves Pix 

A chave Pix é uma espécie de apelido que ajuda a identificar sua conta bancária com facilidade e pode ser CPF, CNPJ, e-mail ou número de telefone. Com ela, você não precisa informar agência, conta e dígito para receber uma transferência.  

Para criá-la, basta acessar o app do seu banco. No entanto, tenha cuidado ao compartilhá-la com desconhecidos, por se tratar de informação pessoal. Avalie se é o caso de usar uma chave aleatória, que também pode ser criada no aplicativo da instituição bancária onde você tem conta. 

Como usar o PIX de forma segura

2. Atenção aos QR Codes 

Os QR Codes permitem a transferência de valores para alguém pelo sistema Pix. Basta ler o código, por meio do app do banco, e confirmar o valor da transação, sem precisar digitar a chave. O problema é que golpistas falsificam QR Codes. Por isso, é preciso sempre conferir se o remetente está correto antes de autorizar o envio do dinheiro. 

3. Suspeite de e-mails e links em nome do banco 

Nunca clique em links recebidos por e-mail, WhatsApp, SMS ou redes sociais que dizem para você criar uma chave Pix. As chaves Pix são cadastradas apenas nos canais oficiais da sua instituição financeira. 

Nenhum banco lhe mandará um alerta pedindo para confirmar sua senha e ameaçando o bloqueio do sistema Pix. Mensagens como essas são o famoso phishing, que tentam roubar informações confidenciais dos usuários desatentos. 

Outros conselhos que servem para a segurança digital como um todo, inclusive ao usar o Pix: 
  • Ative a autenticação em dois fatores no WhatsApp;
  • Confira sempre o remetente dos e-mails;
  • Nunca compartilhe códigos de verificação com terceiros; 
  • Se um parente ou amigo pedir dinheiro via WhatsApp ou outras redes sociais, ligue antes para confirmar se a solicitação é verdadeira; 
  • Ao usar o app do banco, sempre saia da conta; e
  • Jamais anote a senha do banco no bloco de notas do celular ou em qualquer papel. 

Golpes mais comuns envolvendo o Pix 

WhatsApp clonado 
Esse golpe já existia antes do lançamento do Pix no Brasil. Criminosos clonam o acesso ao WhatsApp de pessoas comuns e entram em contato com familiares e amigos pedindo ajuda financeira. Normalmente, falam que estão devendo dinheiro para alguém e pedem para essas pessoas transferirem uma determinada quantia pelo Pix. 

WhatsApp falso 
Aqui, o golpe é o mesmo do exemplo anterior, mas sem a clonagem do número. Nessa modalidade, os golpistas entram em contato com amigos e familiares da vítima se passando por ela e dizendo que trocaram de número. Pouco tempo depois, o pedido de transferência por Pix é feito. 

Golpe da ligação falsa do banco é um dos golpes envolvendo o Pix

Ligação falsa do banco 
Nesse golpe, o desconhecimento sobre como funciona o Pix é o maior inimigo. Uma pessoa se passa por um representante do banco e liga oferecendo ajuda para cadastrar a chave. Assim, induz a vítima a fazer uma transferência via Pix para a conta do golpista. 

Suposto erro no Pix 
Nesse caso, os golpistas espalham notícias na internet dizendo que estão transferindo dinheiro para certas chaves do Pix e estão recebendo reembolso da transação em dobro e automaticamente. Pessoas acreditam e transferem dinheiro para essas chaves, que, na verdade, são da conta dos próprios golpistas. 

Fonte: Nuvemshop


Leia também: Proteja-se: 6 dicas para não cair em golpes nas redes sociais
Falso motoboy, WhatsApp clonado e links maliciosos: a diversidade dos golpes digitais

Últimas notícias

Loading...